31/12/07

"Explicações reforçadas" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Às vezes, são precisamente as coisas mais simples as mais difíceis de perceber por alguns espíritos mais dados a grandes confusões. Vamos lá, então, tentar explicar isto outra vez, mais devagar, a ver se agora fica. Há uma diferença evidente entre a avaliação que se pode fazer sobre a utilização dos reforços contratados pelo FC Porto e os reforços contratados pelos outros dois grandes. O FC Porto é bicampeão nacional, lidera o campeonato com uma vantagem de sete pontos para o Benfica e nove para o Sporting e foi a única equipa portuguesa a garantir o apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. É, portanto, uma equipa que, tendo por base a formação que conquistou o título da última temporada, funciona. E bem. Ora, é muito mais complicado encontrar espaço numa equipa que funciona do que em equipas disfuncionais. Para usar um lugar comum que até quem não perceba nada de futebol possa entender, em equipa que ganha não se mexe. Já em equipas que não ganham pode mexer-se à vontade porque não há nada para estragar. De resto, parece evidente que o rendimento dos reforços não pode ser dissociado do rendimento da equipa. Afinal, um reforço que é muito usado numa equipa que está em terceiro lugar é mais ou menos rentável do que um que não joga na equipa que está em primeiro? Por outro lado, a história recente do FC Porto e até do actual onze titular - líder do campeonato há mais de dois anos consecutivos - demonstra que os reforços levam tempo a afirmar-se no bicampeão nacional porque precisam de ganhar espaço numa equipa em que a fasquia da titularidade está colocada bem alto. Ao contrário de outras. Aliás, conscientes disso mesmo, alguns jogadores "preferem" os clubes onde têm mais hipóteses de jogar. E se até eles percebem isso…

Fórmula mágica
(O segredo do FC Porto) Passa por contratar os jogadores certos. Normalmente, o FC Porto faz boas escolhas
Paulo Ferreira, jogador do Chelsea

26/12/07

Bruno Alves






Bruno Eduardo Regufe Alves, mais conhecido por Bruno Alves nasceu na Póvoa de Varzim em 27 Novembro 1981, filho do antigo jogador do Varzim SC Washington.
Bruno Alves é um defesa central possante, alto (1,87 m) e com bastante apetência para atacar principalmente nos cantos na área adversária e quase invencível no jogo aéreo defensivamente. Começou a formação no Varzim, tendo feito apenas as duas epocas de juniores no FC Porto, passou sucessivamente por diversos empréstimos ao SC Farense, VSC Guimarães e AEK Atenas, onde se tornou uma peça importante da equipa orientada pelo treinador Fernando Santos. Esta passagem valeu-lhe um retorno ao FC Porto, retorno que tem sido marcado por pouca utilização e alguns erros importantes.
Mas com a xegada de
Jesualdo Ferreira ganhou lugar no onze fazendo dupla com Pepe relegando Ricardo Costa e João Paulo para o banco.

Clubes por onde passou:
Varzim - FC PORTO (Juniores) (97-99)
FC PORTO B (99-Jan.02)
Farense (Jan.02-03)
Vit. Guimarães (03-04)
AEK Atenas (Gre) -(04-05)
FC PORTO (05-…) 05-06 : 7-0 (lg) - 1-0 (tp) - 3-0 (lc)
                                   06-07 : 28-2 (lg) - 0-0 (tp) - 8-0 (lc)

24/11/07

Alfredo Murça


Alfredo Murça, nascido a 17 de Janeiro de 1948, na Costa da Caparica, foi cinco vezes internacional "AA" por Portugal, quatro em representação dos "dragões" e um pelo Belenenses, o outro clube que também representou.
Murça estreou-se na formação das "quinas" precisamente quando actuava no Belenenses, mais precisamente a 10 de Dezembro de 1969 (derrota por 1-0 com a Inglaterra, em Londres).
O antigo internacional português Alfredo Murça foi bicampeão de futebol pelo FC Porto em 1977/78 (fez 30 jogos) e 78/79 (21 jogos completos e 1 incompleto) e vencedor de uma Taça de Portugal.
Alfredo Murça, notabilizou-se ao serviço do FC Porto, vencendo dois campeonatos nacionais no final dos anos 70. Murça actuou na famosa equipa que quebrou um longo jejum de títulos, ao lado de jogadores como Oliveira, Costa, Duda, Gomes, entre outros.
Murça iniciou a sua carreira no GD Pescadores da Caparica, tendo ingressado no FC Porto na temporada 75-76, depois de ter actuado no Belenenses. Além de 2 campeonatos, venceu igualmente a Taça de Portugal em 76/77 (no dia 18 de Maio de 1977) numa final disputada contra o Braga, por 1-0, golo marcado por Fernando Gomes.
Curiosamente, também assegurou as funções de treinador interino do FC Porto, no período compreendido entre a saída de Quinito e a entrada de Artur Jorge. O FC Porto jogou em casa frente ao PSV de Eindhoven e venceu por 2-0. Uma magra consolação depois da goleada (0-5) sofrida nos países baixos. Desempenhou funções no Departamento Juvenil e na equipa principal, na qual foi adjunto de Robson, entre 1994 e 1996, ao lado de Inácio, Mourinho e Frade.
Faleceu aos 59 anos no dia 25 de Agosto deste ano, vítima de doença prolongada. Dragão Madeirense já estava há uns tempos para fazer uma homenagem a este notável atleta do nosso clube. Aqui fica, portanto, o nosso simples tributo.

Carreira europeia do F.C. Porto em destaque na UEFA

Inserido num novo projecto designado «Big names, big games», a UEFA está a desenvolver um trabalho sobre a carreira do F.C. Porto nas competições europeias, no âmbito do qual entrevistou, esta sexta-feira, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, os Campeões Europeus André, Frasco e Pedro Emanuel.
As duas ex-glórias dos Dragões reviveram, em palavras, momentos como a conquista da Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1986/87, e da Taça Intercontinental, em 1987, enquanto Pedro Emanuel recordou a sensação inesquecível de ter erguido, em anos consecutivos, os troféus relativos à Taça UEFA (2002/03), à Liga dos Campeões (2003/04) e à Taça Intercontinental (2004).
O F.C. Porto integrará este novo projecto da UEFA, que incluirá entrevistas a diversas individualidades que desempenharam papéis fundamentais em alguns dos maiores jogos da história do organismo que gere o futebol europeu, ao lado de outros grandes colossos europeus, como Real Madrid, Manchester United, AC Milan e Juventus.
Fonte: Site Oficial

"O mais difícil é o próximo" Crónica d'O Jogo de Alcides Freire

Quem nunca franziu um sobrolho sempre que Jesualdo Ferreira falou do jogo seguinte como o mais difícil? Não será caso para atirar pedras, mas ficou sempre a sensação que a mensagem teria efeito junto do plantel, mas não era preciso torná-la público. O treinador usou a expressão por diversas vezes, mesmo quando estava a chegar de um bom resultado na Liga dos Campeões. Domingo é o dia em que Jesualdo Ferreira passa a ter toda a razão. O jogo seguinte é mesmo o mais importante, mesmo quando se sabe que na próxima jornada o FC Porto tem de defrontar o Benfica, no Estádio da Luz. Foram duas más exibições e culpas repartidas por jogadores e treinador que deram razão a Jesualdo. Porque entre o dever teórico de vencer o Belenenses no Estádio do Dragão e a obrigação de ganhar o Estrela da Amadora depois de uma vantagem de dois golos ficaram apenas dois pontos na classificação e quatro perdidos nas previsões. O Setúbal passou de facto a ser o mais importante dos jogos, até porque em caso de vitória os portistas somam três pontos e injectam inveja no Benfica. Mantendo-se a vantagem de quatro pontos, os encarnados deixam de lutar pela liderança, apenas batalharão por reduzir a vantagem para o primeiro lugar. O que é diferente.
Opinião
Portugal não fez uma trajectória brilhante, mas que lhe permitiu o apuramento.
Jesualdo Ferreira comentando a qualificação

"A vencer desde 1893" com lugar na camisola

O FC Porto é o único clube em Portugal com uma assinatura. A expressão saxónica é "branding" e traduz-se no aparecimento da frase "A vencer desde 1893" complementando o logótipo do clube. Há exemplos no estrangeiro, especialmente em Inglaterra - o Manchester United fez o mesmo com o Estádio Old Trafford, associado a assinatura "Teatro dos Sonhos" -, mas no que respeita à realidade nacional é um acto de pioneirismo entre clubes. A frase já se encontra difundida em telas no centro de estágio do Olival, onde uma das salas de entrevistas foi recentemente decorada com base nesse "branding", bem como na entrada para os balneários no Estádio do Dragão e o próprio balneário do FC Porto. Mais tarde será vista em todo o estacionário portista. O resultado imediato é meramente gráfico, até porque junta ao conhecimento do símbolo, a história que está por detrás. Este "branding" é institucional, de tal forma que na próxima temporada surgirá no mais importante símbolo do clube: a camisola, cujo colarinho passará a incluir a frase "A vencer desde 1893". A opção pela palavra vence, em deterimento de ganha e conquista, explica-se com a intenção de que assinatura ultrapasse o contexto da equipa de futebol, mas que, acma de tudo, evidencie o que significa a marca FC Porto.
Fonte: Jornal O Jogo

22/11/07

Nuno e Pedro Emanuel já treinaram esta quarta-feira

De regresso de Málaga, onde participaram no Jogo Contra a Pobreza, Nuno e Pedro Emanuel já treinaram esta quarta-feira de manhã, no Olival, com os restantes companheiros do F.C. Porto, que continua a preparar, ainda sem os oito internacionais, a 11ª jornada da Liga 2007/08.
Os Dragões desenvolvem nova sessão de trabalho – que voltará a ser aberta à comunicação social nos 15 minutos inicias – às 16h00 de amanhã, outra vez no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, em cujo relvado se realizará também a «super flash» de antevisão do desafio frente ao V. Setúbal, marcada para as 15h45.
Fonte: Site Oficial

"Aparências" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

As aparências iludem. Pelo menos, e por motivos que a fotografia acima torna mais ou menos óbvios, passei uma parte significativa da minha vida a tentar convencer o sexo oposto disso. Sem grande sucesso, sublinhe-se, mas com consequências profundas ao nível da auto-estima que o meu psiquiatra continua a tentar resolver. Também sem grande sucesso. Mas, falando de coisas importantes, as aparências iludem. Aparentemente, num ciclo que inclui deslocações a Anfield Road para jogar com o todo poderoso e multimilionário Liverpool e à Luz para o clássico com o Benfica, a recepção ao Setúbal poderia parecer tão fácil como roubar um chupa-chupa a uma criança. Ora, o problema é que o Setúbal é como aquelas crianças precoces que aos 12 anos já são cinturão negro de kung-fu na categoria para 70 quilos e tentar tirar-lhe um chupa-chupa pode prejudicar gravemente a saúde. Os sadinos, tal como o FC Porto, ainda não perderam para o campeonato e tiveram 15 dias para preparar tranquilamente a deslocação ao Dragão, enquanto os bicampeões nacionais começam hoje a tratar do assunto, após 15 dias sem oito habituais titulares, cedidos às respectivas selecções nacionais. Depois, com a vantagem para o Benfica reduzida para quatro pontos, vencer o Setúbal é absolutamente fundamental para a tranquilidade da equipa de Jesualdo Ferreira na visita à Luz. E assim, indo além de uma análise superficial, percebe-se que as aparências iludem. Tal como eu sempre lhes disse, malditas!
Dragão: Apoio incondicional
Afinal, tal como por aqui se garantiu ontem, não faltou apoio à Selecção Nacional no Dragão e os assobios - sim, ouviram-se monumentais assobiadelas - foram guardados para os instantes em que a Finlândia tinha a bola nos pés.

11/11/07

Vítor Baía visita delegação de Toronto

Vítor Baía, director das Relações Externas da SAD, desloca-se no próximo dia 16 a Toronto com o intuito de visitar uma das maiores delegações do clube no estrangeiro. O antigo guarda-redes do FC Porto vai fazer-se acompanhar, neste périplo de três dias pela América do Norte, de Rui Cerqueira, director de Comunicação, e Manuel Aguiar, membro do Conselho de Filiais e Delegações do clube. Durante o evento, o primeiro do género a contar com a sempre importante presença de Vítor Baía, está prevista a realização de um jantar-convívio que contará com a presença de mais de meio milhar de simpatizantes do FC Porto.
Esta é a segunda iniciativa do clube em Novembro a realizar-se no estrangeiro, mais concretamente na América do Norte, depois de ontem se ter festejado o aniversário da Casa de Long Island, nos Estados Unidos, com as presenças de Paulinho Santos, ex-jogador do clube, e Manuela Aguiar.
Fonte: O Jogo

10/11/07

António Nicolau d'Almeida

1º Presidente do FC Porto: António Nicolau d'Almeida 1893-1894
28 de Setembro de 1893 - Fundação do FC Porto

O Foot-ball Club do Porto foi fundado no dia 28 de Setembro de 1893 por António Nicolau d'Almeida, um comerciante de vinho do Porto que descobriu o futebol nas suas viagens a Inglaterra. A fundação do Foot-ball Club do Porto foi notícia nos jornais da época e o evento mais significativo desta primeira e breve existência do clube foi uma partida contra o Club Lisbonense, com o alto patrocínio do Rei D. Carlos, disputada no Porto no dia 2 de Março de 1894 e na qual cada clube representou a sua cidade. Contudo, poucos dias depois da partida ouvir-se-ia falar do FC Porto pela última vez no século XIX; António Nicolau d'Almeida acedeu ao pedido da futura esposa, que considerava o futebol uma modalidade demasiado violenta, e afastou-se do clube que entrou num período de letargia.

Bruno Alves e Lucho convocados para a Amadora

Bruno Alves e Lucho González já trabalharam sem limitações no treino deste sábado do F.C. Porto e estão entre os convocados do treinador Jesualdo Ferreira para a deslocação à Amadora. A entrada do médio argentino em troca com Leandro Lima é a única alteração relativamente ao desafio contra o Marselha.
Os Dragões concluíram a preparação para a visita ao Estrela esta manhã, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, a cujo relvado subiram todos os jogadores do plantel, que já não apresenta casos clínicos, uma vez que, além de Bruno Alves e Lucho González, Rui Pedro foi dado como apto pelo Departamento Médico.
O F.C. Porto parte para estágio ainda a meio da tarde de hoje, após concentração no Estádio do Dragão. O encontro da 10ª jornada da Liga 2007/08, para o qual foram convocados Adriano, Bruno Alves, Bolatti, Bosingwa, Cech, Fucile, Hélder Postiga, Helton, Kazmierczak, Lisandro, Lucho González, Mariano, Nuno, Paulo Assunção, Pedro Emanuel, Quaresma, Raul Meireles, Stepanov e Tarik Sektioui, realiza-se às 20h45 de amanhã, no Estádio José Gomes, na Amadora.

"Quaresma" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Surgiu, nos últimos dias, a ideia de que o público do Dragão teria perdido a paciência com Quaresma. Houve até quem tivesse ouvido nos assobios dispensados ao extremo, em particular no jogo com o Marselha, um estridente e sonoro pedido a Jesualdo Ferreira para tirá-lo de campo. Ora, cada um ouve aquilo que quer nos assobios e eu ouvi uma coisa diferente. O que o público do Dragão quer, parece-me, não é que Quaresma seja substituído por outro jogador qualquer, mas que jogue como só ele sabe, como só ele pode. E, como é óbvio, ninguém nas bancadas do Dragão vai ficar satisfeito com menos do que aquilo a que Quaresma os foi, bem ou mal, habituando ao longo dos últimos anos. Depois, ainda há o detalhe de Quaresma ser um dos raros jogadores a quem vale a pena cobrar alguma coisa. Tome-se o jogo com o Marselha como exemplo. Depois de ter passado a maior parte da partida perdido nos seus próprios labirintos, o extremo foi despertado pelos assobios das bancadas e acordou a tempo de fazer pelo menos duas boas assistências: a primeira serviu para Lisandro ensaiar o golo que fixaria na sequência da segunda. Foram apenas dez minutos à Quaresma, mas o suficiente para fazer a diferença entre um mau empate e uma excelente vitória. Uma diferença que o público do Dragão se habituou a esperar de Quaresma e que vai continuar a cobrar-lhe sempre que achar que o extremo pode dar mais. E Quaresma pode quase sempre dar mais.
Arbitragem: Jarras e jarrados
Os árbitros dos dois últimos jogos em que o FC Porto participou foram "castigados" pela Comissão de Arbitragem por erros cometidos nessas partidas. Curiosamente, apesar de quase todos os jogos do actual campeonato serem marcados por erros de arbitragem mais ou menos grosseiros, só esses dois foram alvo de tal sanção. Curiosamente...

04/11/07

Época 1935/36

2º lugar no Campeonato da I Liga com 20 pts em 14 jogos, 9 vitórias, 2 empates e 3 derrotas; 50 golos marcados e 18 sofridos.

Resultados em casa:
Sporting: 10-1
Benfica: 2-2
Belenenses: 9-1
Setúbal: 3-0
Boavista: 3-0
Carcavelhinhos: 4-0
Académica: 5-1

Resultados fora:
Sporting: 2-3
Benfica: 1-5
Belenenses: 1-2
Setúbal: 1-1
Boavista: 4-0
Carcavelhinhos: 1-0
Académica: 4-2

Referência a Pinga: era o grande craque do FC Porto ainda no tempo do velhinho Campo da Constituição. Essa equipa é muito recordada devido ao trio de luxo: Valdemar Mota, Acácio Mesquita e o fantástico Pinga! O trio era conhecido como "os três diabos do meio-dia" porque o futebol na altura jogava-se ás 12h (á inglesa) e os três arrasavam qualquer defesa. Pinga foi o melhor marcador da época 1935/36 com 21 golos em apenas 14 jogos.

Hóquei em patins: Exibição de classe em triunfo expressivo

Os hexacampeões nacionais alcançaram mais um triunfo no Nacional da I Divisão, ao vencerem na difícil deslocação ao terreno do OC Barcelos. Os números do resultado, 6-1 favorável aos Dragões, dão bem conta da superioridade portista ao longo da partida.
Inquestionável. É este o termo que melhor descreve a vitória alcançada pelo F.C. Porto na deslocação a Barcelos. A formação orientada por Franklim Pais esteve sempre no controlo dos acontecimentos e chegou ao intervalo do encontro a vencer por quatro golos sem resposta.
A segunda metade do jogo apenas serviu para a confirmação do triunfo folgado dos hexacampeões, que se mantêm invictos na edição 2007/08 do campeonato.
Reinaldo Ventura esteve em plano de destaque na partida ao apontar dois golos, com Ricardo Figueira, Caio, André Azevedo e Pedro Moreira a assinarem os restantes tentos da vitória portista.
Cumprida a sétima jornada da competição, os Dragões seguem firmes na liderança do campeonato, somando agora 16 pontos. Na próxima ronda, o Pavilhão Municipal de Fânzeres recebe um encontro de alto nível: F.C.Porto e Benfica defrontam-se esta quarta-feira, em partida agendada para as 21 horas.
Fonte: Site Oficial

Bosingwa mais perto da recuperação total

Bosingwa já desenvolveu treino integrado condicionado no apronto deste domingo de manhã do F.C. Porto e encontra-se agora mais perto da recuperação total da mialgia de esforço na coxa direita que acusou no desafio da oitava jornada da Liga 2007/08 e que o tem mantido ao cuidado do Departamento Médico nos últimos dias.
O lateral-direito permanece, no entanto, no boletim clínico dos Dragões, que inclui ainda o nome de Lucho González. O médio sofreu um estiramento num ligamento peroneal lateral do tornozelo direito no último encontro do campeonato e continua a fazer apenas tratamento.
O F.C. Porto conclui a preparação para o jogo da quarta ronda do Grupo A da UEFA Champions League amanhã, no Estádio do Dragão. O ensaio, após o qual decorrerá a conferência de imprensa de antevisão da partida frente ao Marselha (a ser protagonizada pelo treinador Jesualdo Ferreira e por um jogador do plantel), está marcado para as 10h00 e será aberto à comunicação social nos 15 minutos iniciais.
O Marselha chega ainda hoje, por volta das 17h35, a Portugal, e realiza a conferência de imprensa às 18h00 de amanhã. Após a conversa com os jornalistas, a equipa francesa cumpre então o treino de adaptação ao Estádio do Dragão, que terá início às 18h30 e também será aberto à comunicação social nos 15 minutos iniciais.
Fonte: Site Oficial

01/11/07

Jesualdo Ferreira promove três alterações na convocatória

Jesualdo Ferreira promoveu três alterações, em relação ao jogo contra o Leixões, na convocatória para a recepção ao Belenenses, chamando Adriano, Lino e Paulo Assunção para os lugares de Bosingwa, que esta quinta-feira de manhã, no último ensaio do F.C. Porto antes do jogo, voltou a desenvolver treino condicionado, Edgar e Mariano.
O treinador dos Dragões manteve então uma lista de 18 jogadores para este desafio da nona jornada da Liga 2007/08, que contempla os nomes de Adriano, Bruno Alves, Bolatti, Cech, Fucile, Hélder Postiga, Helton, Leandro Lima, Lino, Lisandro, Lucho, Nuno, Paulo Assunção, Pedro Emanuel, Quaresma, Raul Meireles, Stepanov e Tarik Sektioui.
Os Bicampeões Nacionais concentram-se ao final da tarde no Estádio do Dragão, de onde partem entretanto para estágio. O encontro frente à equipa de Belém está marcado para as 20h30 de amanhã.
Fonte: Site Oficial

Aviões de papel no Dragão

O FC Porto associou-se à ideia de tentar bater o recorde do Guinness de lançamento de aviões de papel. Sexta-feira, antes do jogo com o Belenenses, cada adepto será convidado a lançar para o relvado um avião de papel distribuído à entrada, tentando ultrapassar o anterior registo. A iniciativa partiu da Realizar, empresa que esteve na origem da bandeira humana no Jamor, antes do Euro'2004. No Dragão estará um representante do Guinness, o livro dos recordes, para testemunhar e oficializar os números.
Fonte: O Jogo

"Consecutivas e consequências" Crónica d'O Jogo de José Manuel Ribeiro

Nada mais fresco e surpreendente do que um FC Porto consensual. É claro que o FC Porto sempre foi consensual, mas geralmente a maneira de o admitir é menorizando-lhe os êxitos, sublinhando-lhe o orçamento ou ganhando dinheiro com Pinto da Costa, seja em dezenas de primeiras páginas no "Correio da Manhã", "por acaso" o jornal mais vendido do momento, ou em formato de longa-metragem candidata a filme mais visto de sempre. Deve ser um número engraçado o dos portugueses que, de alguma forma, vivem às custas de maldizerem o dia em que Pinto da Costa nasceu.
Oito vitórias consecutivas geram, contudo, um género menos rentável de FC Porto consensual: aquele que ganha por ser melhor. Coisa para durar meia dúzia de segundos, portanto. De acordo com a crónica assinada anteontem por Rui Santos no "Record", a qualidade do trabalho do FC Porto é um fenómeno recente. Explica uns anitos destes "últimos" em que, realmente, teve hegemonia. Estes "últimos" são duas décadas. Houve, é verdade, um hiato de três épocas sem título nacional durante as quais o FC Porto somou mais pontos do que o Sporting, campeão na primeira e na última delas e uma absoluta vergonha na do meio. Mas a leitura de Rui Santos, a quem talvez deva pedir desculpa por sintetizar nele um ponto de vista muito abrangente, é compreensível: não é de esperar que oito jornadas consecutivas esclareçam quem 25 épocas consecutivas não conseguiram esclarecer.
Preocupações: Os golos de Jesualdo
Jesualdo Ferreira pede golos. Tenho a impressão de que é mais uma maneira de repelir o rótulo de treinador defensivo do que uma angústia, mas Jesualdo não se devia preocupar com isso. Nem com os golos, porque tem quatro pontas-de-lança fora do onze, nem com o rótulo, porque está a ganhar.

18/10/07

"ACAANFI" Crónica d'O Jogo de José Manuel Ribeiro

A mística é uma "atitude colectiva afectivamente assente numa fé irracional". Algo muito útil em jogadores de futebol e talibãs, com certeza, mas observem o colega que está no cubículo ao lado a brincar com o corta-papéis. Gostariam, a sério, que ele tivesse uma "atitude colectiva, afectivamente assente numa fé irracional (ACAANFI)"? Imaginem os operadores de caixa do Continente investidos de ACAANFI a racionar-nos os sacos de plástico.
Por outro lado, talvez seja desejável em carteiros, bombeiros e enfermeiros. Dependendo do que for a mística, evidentemente. Falta esse pormenor: "Atitude colectiva afectivamente assente numa fé irracional numa pessoa ou doutrina". A directora da DREN que suspendeu o Fernando Charrua por adjectivar o primeiro-ministro apresentava sintomas de ACAANFI avançada, por exemplo. E, na visita profiláctica ao sindicato de professores antes da visita de José Sócrates à Covilhã, a polícia também deu ideia de estar arrebatada por um furor do género. Mas, em princípio, nada que exija irracionalidade, nem que seja na fé, joga bem com o profissionalismo.
Dos profissionais, espera-se o oposto. É por isso que pedir mística, quando há muito os objectivos dos clubes e dos futebolistas deixaram de ser os mesmos, já não é tão simples. Pelo menos enquanto não se mudar a definição no dicionário para "atitude colectiva, afectivamente assente numa fé irracional numa pessoa, numa doutrina ou na hipótese de um dia virem a jogar no Real Madrid".
EQUIPA DIFERENTE - O mesmo Quaresma
Uma das inquietações que os portistas podem sempre ter, sobretudo se andarem à procura delas, é o peso de Quaresma no ataque da equipa, por se adivinhar que, mais tarde ou mais cedo, sairá. A boa notícia vinda da Selecção, de onde até nem é costume chegarem, é que o "problema" parece mais relacionado com Quaresma do que com a equipa.

05/10/07

Stepanov: «O nosso pensamento só passa pelo triunfo»


Após a estreia de ontem na UEFA Champions League, Stepanov protagonizou esta quinta-feira, também pela primeira vez, uma «super flash», traçando a antevisão do jogo frente à Académica, na qual frisou o desejo do F.C. Porto de triunfar em Coimbra e assim vincar o primeiro lugar da Liga 2007/08.
Naturalmente feliz com a vitória sobre o Besiktas, o defesa-central lembrou, no relvado do Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, que o sucesso dos Dragões, tanto em Portugal como na Europa, é normal, e assegurou, entre outras ideias que desenvolvemos nos parágrafos seguintes, que a equipa não vai relaxar para o encontro da 7ª jornada do campeonato.


O F.C. Porto está a jogar bem, tanto em Portugal como na Europa, e este sucesso é normal para o clube. Já estávamos à espera de um ambiente daqueles na Turquia e sabíamos que o Besiktas tinha uma boa equipa e jogadores de qualidade, mas conseguimos fazer uma exibição que, embora talvez não tenha sido das mais vistosas, nos permitiu conquistar os três pontos.
Ainda é muito cedo para falar em conquistar a UEFA Champions League. Antes de mais, temos de nos qualificar para a próxima fase, que é, para já, o objectivo mais importante. Acredito termos boas hipóteses para marcar presença nos oitavos-de-final, mas ainda faltam quatro jogos.
Temos de pensar no próximo jogo como o mais importante e estou certo de que vamos a Coimbra para ganhar à Académica e amealhar mais três pontos no campeonato, de modo a vincarmos o primeiro lugar na Liga. Não será fácil, uma vez que todas as equipas querem vencer o F.C. Porto, mas o nosso pensamento só passa pelo triunfo. Não estou apreensivo em relação à atitude da equipa para o jogo contra a Académica, pois sei que no F.C. Porto os atletas nunca relaxam. No futebol, é normal às vezes jogar mal e ganhar três pontos ou jogar bem e perder, pelo que nunca se sabe o que pode acontecer, mas posso assegurar que, independentemente de quem joga, a equipa está sempre preparada para vencer o próximo desafio.
No início, notei algumas diferenças entre o futebol turco e o português e tive de me adaptar a esta nova realidade. Durante cerca de um mês e meio observei atentamente o sistema e percebi que em Portugal se joga um futebol mais rápido ao longo dos 90 minutos. Neste momento, penso já estar adaptado a esse ritmo.

Fonte: Site Oficial

Preparação para a 7ª jornada termina este sábado

O F.C. Porto realizou, esta sexta-feira, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, o penúltimo ensaio antes da visita à Académica, no qual apenas João Paulo e Postiga voltaram a trabalhar com limitações, desenvolvendo treino condicionado.
Os Bicampeões Nacionais concluem a preparação para a 7ª jornada da Liga 2007/08 amanhã, reunindo-se a partir das 10h00, mais uma vez no Olival, à porta fechada. Depois de terminado o apronto, será divulgada a lista de convocados para o desafio frente aos «estudantes», agendado para as 21h15 de domingo, no Estádio Cidade de Coimbra.
Fonte: Site Oficial

Besiktas-F.C. Porto, 0-1: Um estrondo de silêncio















O inferno turco durou para lá dos 90 minutos, mas, no final, a grande labareda foi azul e branca. É assim o futebol. Fora do campo não se ganha jogos, por mais ensurdecedora que a atmosfera se apresente. Os cânticos guerreiros impressionam, mas não marcam golos. Para isso, é preciso muito mais. É preciso, por exemplo, ter Quaresma, que acreditou até ao fim e vestiu a pele de justiceiro. Mas o sucesso do F.C. Porto englobou muito mais que aquele momento mágico.
Istambul está entalada entre a Europa e a Ásia, por isso é previsível que o vulcão tenha sido escutado nos dois continentes. Esse, de resto, seria o primeiro adversário dos Bicampeões, que entraram num palco em ebulição, num cenário bélico que procurava levar a equipa da casa ao sucesso e atemorizar o visitante. Com gritos, todavia, não se consegue derrubar o Dragão.
A história deste jogo tem de centrar-se naquele instante de pura crença azul e branca. Cech rompeu pela esquerda e cruzou largo, Lucho amorteceu para Quaresma e o extremo, que já tinha espicaçado o mar de chamas com momentos de requinte, rematou para o golo. O silêncio foi estrondoso. E se, de repente, o inferno se calasse para, no segundo seguinte, explodir em tons azuis e brancos?
Quaresma, já se disse, fez justiça. O F.C. Porto foi personalizado, combinou qualidade colectiva com bons desempenhos individuais, criou perigo em investidas repetidas. Especialmente na segunda parte. Nos primeiros 45 minutos predominou o equilíbrio. A equipa de Jesualdo Ferreira, mesmo assim, podia ter inaugurado o marcador, em maquinações que Tarik e Raul Meireles não conseguiram dirigir com pontaria.
Do intervalo, contudo, voltou um Dragão que teve momentos irresistíveis. Tarik, Lucho e Raul triangularam para golo, mas o esquema perdeu-se na fatalidade; Quaresma, após crença fortíssima de Lucho, falhou por pouco; Adriano, a fechar cruzamento de Cech, num lance que envolveu as novas características lançadas à discussão por Jesualdo Ferreira, merecia muito mais.
O Estádio Inonu, apesar das ameaças, não se calava. O seu Besiktas procurava sobreviver, mas não conseguia mais que espicaçar o braseiro. O fogo caseiro estava mortiço, por mais lenha que os adeptos lhe lançassem. Via-se muito F.C. Porto nas proximidades do Bósforo, mas também já não restava muito tempo para explosões. Quaresma achou que ainda chegava perfeitamente a horas. O Dragão ganhou. A sua chama não se mede em decibéis.


FICHA DO JOGO

UEFA Champions League (Grupo A - 2ª jornada)
Estádio Inonu, em Istambul
Árbitro: Pieter Vink (Holanda)
Assistentes: Adriaan Inia e Patrick Gerritsen
4º árbitro: Reinold Wiedemeijer

BESIKTAS: Hakan Arikan; Serdar Kurtulus, Gokhan Zan, Ibrahim Toraman e Ibrahim Uzulmez «cap.»; Edouard Cissé, Serdar Ozkan e Tello; Delgado; Ibrahim Akin e Bobo
Substituições: Bobo por Márcio Nobre (26m), Ibrahim Akin por Higuain (67m) e Serdar Kurtulus por Ali Tandogan (71m)
Não utilizados: Rustu, Mehmet Yozgatli, Diatta e Koray Avci
Treinador: Ertugrul Saglam

F.C. PORTO: Helton; Bosingwa, Stepanov, Bruno Alves e Fucile; Paulo Assunção, Lucho González «cap.» e Raul Meireles; Sektioui, Lisandro Lopez e Quaresma
Substituições: Sektioui por Cech (65m), Lisandro Lopez por Adriano (75m) e Raul Meireles por Leandro Lima (87m)
Não utilizados: Nuno, Pedro Emanuel, Mariano Gonzalez e Bolatti
Treinador: Jesualdo Ferreira

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Quaresma (90m)
Disciplina: Cartão amarelo a Lucho González (45m), Bruno Alves (66m) e Ali Tandogan (87m)
Fonte: Site Oficial

02/10/07

Jesualdo Ferreira: «Sabemos o que temos de fazer»


Abordagem clara e objectiva, sem direito a pensamentos dúbios ou reticências. Jesualdo Ferreira assume que o F.C. Porto conhece os métodos para derrotar o Besiktas e que a sua equipa quer repetir uma tendência de sucesso que vem da temporada passada. O www.fcporto.pt transcreve a conferência de Imprensa desta tarde, em Istambul.

Qual é a forma de ganhar num campo tradicionalmente difícil como o do Besiktas?
Temos um conhecimento bom desta equipa e sabemos também do clima que se vive neste estádio, com o apoio de um público que ama a sua equipa. Para o Besiktas este jogo tem tanta importância como para o F.C. Porto. É o segundo de seis, mas tem importância muito grande. O Besiktas conhece o F.C. Porto como nós os conhecemos. Temos o nosso plano, sabemos o que temos de fazer. Espero que o jogo corra de acordo com o plano que vamos traçar. Na linha do que temos feito na UEFA Champions League, estou convencido de que o F.C. Porto conseguirá o resultado que deseja, que é ganhar. Vamos tentar tudo para fazer um jogo que seja de acordo com as nossas perspectivas futuras e, acima de tudo, com o valor que a equipa do F.C. Porto tem.
O empate com o Liverpool altera a forma de abordar este desafio?
Essa questão faz mais sentido na quinta ou sexta jornadas, em função daquilo que for o percurso da equipa. Para nós o jogo é extremamente difícil, mas vamos abordá-lo como abordamos todos os outros na época passada. Com sentimento de vencer e impor o nosso jogo. Vamos entrar no jogo com o sentido de poder ganhá-lo. Perdemos dois pontos com o vice-campeão da Europa, uma equipa muito forte, mas temos de os conquistar rapidamente também.
Sendo certo que as competições domésticas valem o que valem, o Besiktas pode ter o orgulho ferido por ter perdido o derby com o Galatasaray. Até que ponto isto pode influenciar amanhã?
O que se passou não vai afectar a equipa do Besiktas. Tudo o que existiu nesse jogo não nos motiva nem mais nem menos. O que nos motiva é aquilo que queremos fazer. São questões que ficam foram da perspectiva que temos para este jogo. São competições diferentes. Na UEFA Champions League joga-se tudo em pouco tempo.
Como é que o F.C. Porto vai parar o jogo ofensivo anunciado pelo Besiktas?
Vai haver momentos em que o Besiktas não vai conseguir atacar, vai haver outros momentos em que o F.C. Porto terá o controlo do jogo. Seguramente. Acho que vai ser um jogo equilibrado. O F.C. Porto tem um processo ofensivo claro. Com um espírito de poder atacar sempre que o Besiktas consentir e o F.C. Porto possa entrar em zona de ataque.


Fonte: Site Oficial

"Grande dupla" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Já tinha saudades dos Marretas. A minha personagem favorita era o urso Fozzie, talvez por me identificar com o fatalismo da figura, um cómico persistente embora sem graça, mas logo a seguir na minha lista de preferências, num honroso segundo lugar "ex aequo", estavam os dois velhotes, Waldorf e Statler. Surgiam sempre lado a lado, muitas vezes de copo na mão, sentados num camarote lateral, e criticavam acintosa, quase maldosamente, todos e cada um dos "sketches" dos outros Marretas, apontando o dedo, explorando fraquezas e rindo a bandeiras despregadas, como se não fizessem, eles próprios, parte de todo o espectáculo. Pois bem, posso estar enganado, mas quase posso jurar que eram eles na primeira página de um diário desportivo, ontem. Estavam diferentes, mas o tempo pode ter esse efeito. De resto, há indícios de que podiam ser eles. Continuavam de copo na mão, a rir, a criticar e a apontar o dedo aos outros, como se não fizessem, eles próprios, parte do circo. Falavam de mudar gente no futebol, como se não tivessem sido eles, o de bigode antes, e o outro depois, a desenhar a esquadro o elenco das duas últimas direcções da Liga. Gracejavam a propósito da necessidade de credibilidade do negócio, para a qual contribuem regularmente com críticas mais ou menos desbragadas à arbitragem de acordo com o benefício ou prejuízo instantâneo dos respectivos clubes. Uns cómicos. A prova viva de que, seguindo a longa tradição de Bucha e Estica, de Tom e Jerry, e do Senhor Feliz e do Senhor Contente, as grandes duplas da comédia estão bem vivas e aos pontapés.
Poliglota
Se aprendi turco também consigo aprender português.
Stepanov, jogador do FC Porto

30/09/07

Lisandro Lopez foi o melhor em campo


Lisandro Lopez foi eleito o melhor em campo pelos espectadores presentes este sábado, no Estádio do Dragão, para assistir ao F.C. Porto-Boavista, partida que os azuis e brancos venceram por 2-0.
O avançado argentino, autor dos dois golos dos Bicampeões neste triunfo, já é o melhor marcador da Liga 2006/07, com seis remates certeiros.

6ª JORNADA: PORTO 2 BOAVISTA 0

Dois golos de Lisandro, ou simplesmente «Licha», o terror do bairro argentino de Rafael Obligado, sentenciaram um jogo especialmente farto em indícios da particular inspiração do avançado portista, que carrega consigo decisões e decretos há três jornadas consecutivas. Da quarta à sexta ronda, o sul-americano, que já havia marcado em Leiria, apontou, em regime de exclusividade, cinco dos seis golos que lhe permitem encabeçar a lista de melhores marcadores, contribuindo decisivamente para a liderança isolada dos Dragões.
Ao quarto minuto, quando o encontro passava ainda por um género vigoroso e determinado de fase experimental, e Lisandro errou as redes, com Carlos por terra e sem tempo para se recompor do voo e da queda prescritos pela precisão do livre cobrado por Quaresma, foi fácil perceber que o esboço deveria ser interpretado como um prenúncio. Mas poucos terão entendido o instante, que se esgotou em menos de dois segundos, como um sinal ou aviso absolutamente rigoroso, no desenho e no elenco.
Não foram precisos muito mais de dez minutos para que os mesmos intérpretes se reencontrassem em circunstâncias em tudo semelhantes. Novamente à esquerda, sensivelmente no mesmo local, Quaresma arranjou a bola e bateu o livre. Carlos, outra vez no chão, defendeu, mas não pôde segurar. Lisandro, de pé esquerdo, marcou, confirmando a generalidade dos vestígios «semeados» até então e uma pista em particular.
A partida, com a razoável cumplicidade do campeão, reservou então tempo e espaço à reacção axadrezada, que só ao minuto 42 assumiria a forma de remate à baliza dos Dragões. O recomeço permitiu mais uns quantos ensaios aos visitantes antes do reencontro com a lógica. E, por uma questão de coerência, foi Lisandro quem voltou a marcar, reduzindo a cinza a ténue esperança boavisteira de condicionar a missão e a estratégia portista, que momentos antes voltara a aproximar-se do golo, a cabeceamento de Lucho e num remate cruzado de Bosingwa, na conclusão de uma iluminada diligência individual a merecer melhor sorte e os aplausos do estádio.
Com a vitória assegurada e a expansão das distâncias que o separam de Benfica e Sporting, o líder soltou a genialidade de Quaresma e Leandro Lima, alimentando o espectáculo até ao último sopro da partida, a sexta consecutiva a vencer e a quarta sucessiva com golos de «Licha», o inexcedível argentino que só se autoriza a dar tréguas ao adversário por ordem expressa do árbitro.


24/09/07

Jesualdo Ferreira antevê Taça da Liga em «super flash»

Líder isolado do campeonato e detentor de cinco triunfos consecutivos, o último conquistado ontem, em Paços de Ferreira, o F.C. Porto regressou esta segunda-feira de manhã ao trabalho, num apronto assinalado pela evolução clínica de Helton, que se juntou a Pedro Emanuel na prática de treino integrado condicionado.
Nuno, Bruno Alves, Bosingwa, Fucile, Raul Meireles, Lucho González, Tarik, Quaresma e Lisandro foram dispensados por Jesualdo Ferreira do apronto de hoje, que contou com as presenças dos juniores Leo e Ruca (guarda-redes) e de Tengarrinha (defesa-central).
Hélder Postiga realizou, mais uma vez, treino condicionado, enquanto Paulo Assunção, que no jogo deste domingo contraiu uma entorse no tornozelo direito, fez apenas tratamento.
A preparação para a 3ª eliminatória da Taça da Liga, na qual os Bicampeões Nacionais defrontarão o Fátima, prossegue amanhã, às 10h00, à porta fechada, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, em cujo relvado se realizará, às 09h30, a «super flash» de antevisão do referido encontro, a ser protagonizada pelo treinador Jesualdo Ferreira.

Liderança adornada na «Capital do Móvel»

O F.C. Porto visitou Paços de Ferreira na expectativa de mobilar a sua posição na tabela classificativa com mais três peças fundamentais e cumpriu o objectivo de forma notável. Na «Capital do Móvel», dois golos de Lisandro contribuíram para adornar a liderança da Liga 2007/08, na qual os Bicampeões Nacionais somam já cinco triunfos consecutivos.
Num desafio assinalado por variadíssimas oportunidades de golo construídas pelos Dragões, o avançado, que, com quatro golos, já é um dos melhores marcadores do campeonato, foi o primeiro a transbordar a enorme vontade de vencer do F.C. Porto, mas o seu remate perigoso, aos cinco minutos, foi desviado para canto.
Todavia, não foi preciso esperar muito para o desejo da equipa azul e branca se tornar realidade, com o mesmo Lisandro a abrir o activo logo aos onze minutos, após uma jogada brilhante de Bruno Alves, que iludiu um adversário com uma finta apenas ao alcance dos melhores atacantes do Mundo, e serviu o companheiro para o primeiro golo do encontro.
Cumprida a ambição de entrar bem no jogo, os Bicampeões não baixaram os braços e continuaram à procura de adereços que lhes permitissem sair de Paços de Ferreira com a garantia de um triunfo, cuja confirmação haveria de chegar aos 67 minutos, novamente por intermédio de Lisandro, desta feita após passe de Leandro Lima, lançado na partida por Jesualdo Ferreira apenas dez minutos antes.
Pelo meio, destaque ainda para três jogadas iniciadas por Quaresma, que por pouco não deram golo. Primeiro, cruzou uma bola teleguiada para Edgar, mas o cabeceamento do avançado foi travado por uma grande defesa de Peçanha; depois, apontou um livre que não foi desviado por João Paulo para a baliza pacense por milímetros; por fim, cruzou na linha para Lucho, só que nem o médio nem Lisandro, que apareceu mais à frente, conseguiram concluir o lance.
A avalanche ofensiva do F.C. Porto foi uma constante ao longo do encontro e, mesmo já a ganhar por 0-2, os líderes do campeonato persistiram na procura de golos. Quaresma, aos 89 minutos, e Tarik, já nos descontos, falharam o alvo, e um resultado mais dilatado, que em nada adulteraria o que se passou em campo, face a um Paços de Ferreira que lutou bastante, mas nunca assustou verdadeiramente os Dragões, acabou por não se verificar.FICHA DE JOGO
Liga 2007/08, 5ª jornada (23 de Setembro de 2007)Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira
Árbitro: Olegário Benquerença (Leiria)Árbitros Assistentes: João Santos e José Cardinal4º Árbitro: Jorge Sousa
Paços de Ferreira: Peçanha; Ferreira, Rovérsio, Luiz Carlos «cap.» e Mangualde; Filipe Anunciação, Dedé e Fernando Pilar; Ricardinho, Cristiano e EdsonSubstituições: Cristiano por Furtado (34m), Filipe Anunciação por Pedrinha (58m), Edson por Edson Di (70m)Não utilizados: Coelho, Renato Queirós, Kiko e Tiago ValenteTreinador: José Mota
F.C. Porto: Nuno; Bosingwa, João Paulo, Bruno Alves e Fucile; Paulo Assunção, Raul Meireles e Lucho González «cap.»; Lisandro, Quaresma e EdgarSubstituições: Edgar por Leandro Lima (58m), Raul Meireles por Bolatti (63m), Paulo Assunção por Tarik (83m)Não utilizados: Ventura, Stepanov, Lino e FaríasTreinador: Jesualdo Ferreira
Ao intervalo: 0-1Marcadores: Lisandro (11m e 67m), Disciplina: cartão amarelo a Fernando Pilar (23m), Luiz Carlos (25m), Pedrinha (77m), Ricardinho (83m), Leandro Lima (85m) e Furtado (90m)

21/09/07

"Vítor Baía pró-activo" Crónica d'O Jogo de Alcides Freire

Vítor Baía falou ontem da UEFA. Não é preciso arregalar os olhos, nem esfregar as mãos. Não, não se referiu ao castigo imposto a Luiz Felipe Scolari, nem tão pouco necessitou, dias antes, de agredir um adversário com um suave soco. E sabe-se como um soco, tal como as pressões, podem ser suaves, mas, ainda assim, fazer mossa. Afinal, ser director das Relações Externas do FC Porto não é a mesma coisa do que ter um gabinte com vista e viagens em primeira classe. Poderão alguns ter pensado que era isso que o clube destinara à sua mais importante figura dos últimos 20 anos, mas nem essa foi a intenção, nem Baía deixou que o equívoco nascesse. Aos que achavam que Baía passara apenas a fazer parte da mobília portista, o ex-guarda-redes provou ontem que continua tão activo como o era entre os postes. Na verdade, era activo em toda a grande-área e arredores. Está visto que não perdeu o jeito, até porque foi ele que ontem anunciou a posição do FC Porto acerca do projecto de alterações que Platini, presidente da UEFA, pretende implementar na Liga dos Campeões. O que não deixando de ser uma opinião particular bastante válida - quem, melhor do que um campeão europeu, para falar sobre a liga milionária - , é, antes disso e acima de tudo, o anúncio da posição do FC Porto perante as ideias de Michel Platini. "Não será benéfico para o futebol português", disse ontem. No fundo, brilhou sem necessitar de um presidente que lhe anuncie um eventual futuro.

F.C. Porto 1-1 Liverpool (18-09-2007)

http://www.fcporto.pt/Adeptos/Galeria/Fotos/adepgaleria_fcpliverpool_180907.asp

08/09/07

"Credo" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Uma taça com nome de cerveja é qualquer coisa que se deve abordar com moderação e nunca antes de conduzir. Ora, o primeiro adversário do FC Porto na Taça Carlsberg, também conhecida como Taça da Liga entre os abstémios, é nada menos que o Fátima, uma das prematuras surpresas da prova, responsável pela eliminação da Académica. Apesar disso, o Fátima é considerado uma das equipas mais fracas ainda em prova. É claro que nessas contas não entra a força da fé, mas consta que move montanhas pelo que todo o cuidado é pouco. Aliás, o FC Porto e Jesualdo Ferreira certamente ainda não esqueceram a curta experiência na Taça de Portugal da última temporada, quando os bicampeões nacionais foram eliminados na primeira ronda em que participaram pelo Atlético. Ora, o Atlético não passa de um clube amador nestas coisas da fé quando comparado com o Fátima. E é por isso que o FC Porto tem de olhar para o Fátima de forma pouco católica. Dentro de campo, perdoar é pecado e dar a outra face uma blasfémia. É ganhar ou perder. Depois, a malta vai confessar-se e fica tudo bem.

"Reforços" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Há uma preocupação mais ou menos generalizada em torno da utilização que Jesualdo Ferreira tem feito dos reforços contratados esta temporada. Afinal, questionam alguns críticos, se não entram directamente para o onze titular, para que servem os reforços? Ora, às vezes, a resposta está escondida com o rabo de fora na própria pergunta. Ou neste caso, na própria definição da palavra reforço. Um reforço é, garante o diccionário de português da Porto Editora, um substantivo masculino - convém que seja muito macho, até porque o futebol não é coisa de meninas mesmo quando é jogado por senhoras - que se refere a uma peça que se junta a outra para a tornar mais forte. Não é uma peça que substitui outra porque é melhor, mas que se junta a ela tornando-a mais forte, sublinhe-se. E é para isso que servem os reforços, os contratados pelo FC Porto como os que são contratados pelas outras equipas: para juntar ao resto da equipa e torná-la mais forte. Convém esclarecer aqui que uma equipa não pode ser constituída pelos onze titulares de qualquer jogo. Numa temporada que pode implicar a realização de mais de 50 jogos oficiais no clube, divididos pelo campeonato, Taça de Portugal, Taça da Liga e Liga dos Campeões, aos quais uma boa parte do plantel ainda tem de juntar os compromissos das respectivas selecções, onze jogadores não chegam para as encomendas. Uma equipa, pelo menos uma equipa a sério, que está em todas as competições para as ganhar, precisa de 25 ou 26 jogadores de grande nível, preparados para jogar a qualquer momento. E qualquer momento pode ser no início da temporada, a meio ou no fim. E, como me parece óbvio, é tanto mais fácil para um reforço entrar no onze titular quanto mais frágil é a equipa reforçada. Ora, depois de ter vencido os primeiros três jogos do campeonato, todos de elevado grau de dificuldade, o FC Porto de Jesualdo Ferreira provou que não é uma equipa frágil. Por outras palavras, não são os reforços que são fracos para entrar no onze, o onze é que é demasiado forte para facilitar a entrada de reforços.

06/09/07

"Pressão" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

"Foi uma boa arbitragem, que não teve influência no resultado". Foi assim que Paulo Bento, treinador do Sporting, comentou o trabalho de Pedro Proença no final do jogo com o FC Porto no Estádio do Dragão. Ora, Paulo Bento até podia ter mudado de ideias, alegando que não tinha visto bem o lance de que resultou o golo portista e que depois de o analisar pelas imagens televisivas com o acompanhamento sonoro das inúmeras opiniões em sentido inverso ao seu, tinha visto a luz. Mas não. Numa demostração de carácter rara no futebol, e apesar do chinfrim à sua volta, quase uma semana depois do clássico no Dragão, e na antevisão do jogo com o Belenenses, o treinador do Sporting garantiu, a quem o quis ouvir, que não tinha mudado de opinião: "Foi uma boa arbitragem, que não teve influência no resultado", portanto. Entretanto, a Comissão de Arbitragem da Liga esclareceu que em lances semelhantes ao que marcou o clássico "compete ao árbitro decidir se a bola foi atirada deliberadamente em direcção ao guarda-redes". Foi o que Pedro Proença fez. É claro que se trata de uma decisão subjectiva, como parte das decisões tomadas pelos árbitros em qualquer jogo de futebol. Como foi subjectiva, por exemplo, a decisão de Bruno Paixão não assinalar grande penalidade contra o Sporting no jogo da Supertaça quando Tonel tocou a bola com a mão na área. Ou foi a bola que tocou na mão de Tonel? Ora, curiosamente, esse lance, que eventual e subjectivamente terá prejudicado o FC Porto, não mereceu cruzadas de especialistas em arbitragem, nem esclarecimentos da CD, nem preencheu as duas semanas seguintes em vagas sucessivas de consternação e preocupação com o rumo da arbitragem. Aliás, a mera menção do episódio levou a que do Sporting - valha-nos a ironia - surgisse a preocupação sobre a "suave pressão" que o FC Porto estava a exercer sobre os árbitros. Pois bem, a pressão sobre os árbitros já deixou de ser suave. É forte, clara e objectiva e serve os interesses de quem a exerce.
LANCES: Golos
O segundo golo do FC Porto em Leiria aconteceu na sequência de um cruzamento para lá da linha de fundo de Bruno Alves. Um erro grosseiro da equipa de arbitragem liderada por João Vilas Boas. O que a maior parte da crítica fez questão de esquecer foi o golo mal anulado aos portistas logo aos 3 minutos de jogo, por fora-de-jogo inexistente de Bruno Alves. Um esquecimento justificado pelo facto de a maior parte dos resumos televisivos da partida não incluirem esse lance. Uma questão de política... de comunicação.

04/09/07

"Cansaço" Crónica d'O Jogo de José Manuel Ribeiro

O pessoal da universidade diz que, havendo 48 horas de intervalo, é possível fazer dois jogos de futebol sem grande oscilação de rendimento. O treinador do Leiria achava que não, a meio da semana passada, mas anteontem já concordava. O que achava nessa altura o treinador do FC Porto não se sabe, mas anteontem estava de acordo com a primeira opinião do treinador do Leiria e em desacordo com o pessoal da universidade. Quer dizer, mais ou menos. O ponto de vista dele é que as equipas grandes podem suportar jogos com dois dias de intervalo; as outras não. Talvez porque não tenham uma segunda linha de jogadores à altura da primeira, suponho eu, porque ele não teve oportunidade de explicar. Se for por isso, também não será uma análise cem por cento correcta, porque é pelo menos duvidoso que ele próprio altere por aí além o onze entre o jogo com o Marítimo e o jogo com o Liverpool, 48 horas depois, a não ser para concretizar aquela suspeita que já anda no ar, do Bolatti ao lado ou um bocadinho à frente do Paulo Assunção, em jeito de “doble pivot” argentino disfarçado. Outro argumento contra a tese dos dois dias são os pontos perdidos no campeonato. Quando foi campeão europeu, o FC Porto perdeu vinte. Só quatro não voaram por ocasião dos jogos internacionais. Na época seguinte, o Chelsea de Mourinho perdeu 19, 13 deles por alturas da Liga dos Campeões. Apenas um senão, que até pode ser um contributo para o pessoal da universidade: os pontos não são forçosamente perdidos depois. Costuma ser ela por ela e nalgumas temporadas a maioria até foi perdida antes, o que só pode significar, não sem grande impacto no meio académico, que o cansaço é retroactivo.
Liverpool: Fadiga localizada
Ainda é cedo, mas a propósito do cansaço, falta dizer uma coisa: é a especialidade do Liverpool. Em Inglaterra, toda a gente se queixa de fadiga, sobretudo Ferguson, Queiroz e Mourinho. Dizem que assim não podem ganhar tudo e é verdade. Não ganham a Liga dos Campeões, porque estão cansados do campeonato. O Liverpool, a não ser que mude esta época como anda a sugerir, tem ganho o campeonato por estar cansado da Liga dos Campeões.

03/09/07

Sub-17: Estreia em grande resulta em goleada

A equipa de sub-17 do F.C. Porto estreou-se da melhor forma no Campeonato Nacional de Juniores B, ao alcançar um expressivo triunfo por 6-1 na recepção à Naval 1º de Maio.

Numa partida disputada no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, Cardoso, Branco, Filipe, que bisou, Caetano e Dias foram os autores dos golos azuis e brancos que deram forma à goleada portista.

Depois da estreia auspiciosa segue-se uma deslocação dos jovens Dragões ao terreno do Tourizense, numa partida agendada para o próximo dia 9 de Setembro.

Equipa do F.C. Porto frente à Naval: Rafael; Paulo, Ramon, Zé Pedro e Branco; Sérgio Oliveira, Cardoso, Amorim (Dias, 57) e Filipe; Diogo (Sérginho, 68) e Claro (Caetano, 48).

Regresso ao trabalho na terça-feira

O F.C. Porto regressa ao trabalho na próxima terça-feira, às 10h00, no Olival, onde começará a preparar o jogo da 4ª jornada da Liga 2007/08, para o qual parte com três vitórias consecutivas, a última delas conquistada este domingo à noite, em Leiria, frente à equipa local.

Os 15 minutos iniciais do apronto serão abertos à comunicação social.
Fonte: Site oficial

Andebol: Dragões em segundo no 1º Torneio Liberty Seguros

O F.C. Porto Vitalis concluiu o 1º Torneio Liberty Seguros no segundo lugar, após ter saído vencido do jogo da final (29-34), realizado este domingo, em Aveiro, perante o Liberty S. Bernardo.
Os Dragões tinham assegurado a presença no encontro decisivo com um triunfo por 28-24 sobre o ISAVE, mas hoje não conseguiram repetir o resultado vitorioso, numa partida em que Ricardo Moreira esteve em evidência, apontando oito golos.
Os restantes remates de sucesso do conjunto de Carlos Resende foram desferidos por Kavalenka (5), Pedro Solha (5), Tiago Rocha (4), Bosko Bjelanovic (2), Carlos Martingo (2), Gilberto Duarte (1), Manuel Arezes (1) e Eduardo Coelho (1).
Fonte: Site Oficial

Andebol: Dragões em segundo no 1º Torneio Liberty Seguros

O F.C. Porto Vitalis concluiu o 1º Torneio Liberty Seguros no segundo lugar, após ter saído vencido do jogo da final (29-34), realizado este domingo, em Aveiro, perante o Liberty S. Bernardo.
Os Dragões tinham assegurado a presença no encontro decisivo com um triunfo por 28-24 sobre o ISAVE, mas hoje não conseguiram repetir o resultado vitorioso, numa partida em que Ricardo Moreira esteve em evidência, apontando oito golos.
Os restantes remates de sucesso do conjunto de Carlos Resende foram desferidos por Kavalenka (5), Pedro Solha (5), Tiago Rocha (4), Bosko Bjelanovic (2), Carlos Martingo (2), Gilberto Duarte (1), Manuel Arezes (1) e Eduardo Coelho (1).
Fonte: Site Oficial

Sub-19 goleiam (4-0) Penafiel

A equipa de Sub-19 do F.C. Porto venceu, no sábado, no relvado principal do Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, o Penafiel, por 4-0, em jogo da segunda jornada do Campeonato Nacional de Juniores A.
Os golos dos Dragões foram apontados por Tengarrinha, Marco, Mohamed e Joni.

Jesualdo Ferreira: «Fizemos um jogo sério e de ritmo constante»

No rescaldo do triunfo expressivo por 3-0 sobre o Leiria, Jesualdo Ferreira considerou que o F.C. Porto não encontrou facilidades no terreno do adversário, atribuindo antes o resultado dilatado ao jogo sério e de ritmo constante que os Dragões fizeram.

Na conferência de imprensa que se seguiu ao final da partida, o treinador dos Bicampeões Nacionais vincou, mais uma vez, que o importante para a sua equipa não foi ganhar um jogo que tinha perdido na época passada, mas sim conquistar mais três pontos esta temporada, perfazendo assim os mesmos que tinha, nesta altura, há um ano.

Sem facilidades
«Não penso termos encontrado muitas facilidades em Leiria. O que aconteceu foi que fizemos um jogo sério e de ritmo constante e isso acabou por trazer mais dificuldades ao nosso adversário. Os golos também nos proporcionaram alguma tranquilidade e retiraram capacidade de reacção ao Leiria.»

Várias oportunidades
«O Leiria tem uma equipa boa e mostrou por que se qualificou para a Taça UEFA. Hoje, não esteve tão bem, mas não podemos esquecer que também jogou contra o F.C. Porto. Apesar de não termos iniciado o encontro da melhor maneira, entramos muito fortes na segunda parte e criámos várias oportunidades de golo.»

Os mesmos pontos
«Para nós, o importante é ganhar sempre, independentemente dos resultados das épocas anteriores. O que nos fez subir os níveis de confiança foi termos ganho este jogo e não termos perdido o da última temporada. Os pontos amealhados até agora são os mesmos da temporada passada e o início de época contra três adversários com os quais tínhamos perdido na anterior é apenas uma coincidência.»

Grande profissional
«O João Paulo é um grande profissional, um indivíduo cheio de carácter e um excelente líder, além de se assumir como um jogador positivo e importante no plantel, e acredito ter decidido bem em relação a ser ele o titular, quando perdemos o Pedro Emanuel a 48 horas do jogo.»

Integrar com segurança
«O que perspectivamos para o futuro do F.C. Porto não podia passar apenas pelos jogadores que tínhamos na época passada, uma vez que vamos participar em quatro provas. No entanto, e apesar de sabermos que os novos jogadores têm qualidade, queremos que eles se integrem com segurança. Não faria sentido queimarmos etapas, quando temos uma equipa que foi campeã nacional na última temporada.»
Fonte: Site oficial

3ª jornada Liga Bwin: U. Leiria 0 FC Porto 3


Robusto, apesar de escasso

Exibição personalizada, vigorosa e autoritária, resultado robusto, dilatado e, paradoxalmente, escasso. Pela direcção seguida pelo encontro, que não faz da expressão «sentido único» um excesso ou absurdo, pelo encanto de um futebol ligado e criativo e, sobretudo, pelo número de ocasiões de golo geradas, todas (muitas) junto à baliza de Fernando.
O desenho da vitória portista, a terceira em três jornadas, poderia e deveria ter conquistado contornos claros e decisivos logo ao terceiro minuto, quando Bosingwa fez o golo que não valeu. Mesmo com Bruno Alves em posição regular, mesmo que a bola não tenha ultrapassado os limites jogáveis na assistência do central.
O estádio teve, então, de aguardar um pouco mais de meia hora para assistir à validação da vantagem portista, no instante imediato a um movimento inspirado de Tarik, que iludiu o opositor de circunstância, ao preferir o domínio no peito ao cabeceamento imediato ao cruzamento de Quaresma. Quando o adversário se recompunha do salto, já o marroquino rematava cruzado, à rede mais distante.
Os Dragões poderiam ter festejado antes e depois da justiça de Tarik, mas o melhor pedaço de futebol estava para vir, reservado para lá do descanso, período em que a classe e o jogo cerebral de Lucho se tornaram especialmente preciosos e sobretudo perceptíveis na forma como conquistava metros antes do passe rasgado.
Depois de Lisandro, que marcou logo após o recomeço, João Paulo, um exemplo de tranquilidade e segurança a defender, foi suficientemente impetuoso para a antecipação na área contrária e marcar, num desvio fulminante de cabeça, a livre cobrado por Quaresma.
A hegemonia portista, por demais evidente para poder ser minimamente beliscada ou questionada por um par de remates que não exigiu muito mais do que a atenção de Nuno, justificava uma vantagem mais ampla, mas as entradas de Mariano, Leandro Lima e Edgar não trouxeram qualquer golo. «Apenas» novas variantes de um estilo criativo, ditador e promissor.


FICHA DE JOGO
Liga 2007/08, 3ª jornada
2 de Setembro de 2007
Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria
Assistência: 4419 espectadores
Árbitro: João Vilas Boas (Braga)
Assistentes: Alfredo Braga e José Oliveira
4º árbitro: João Paulo Silva

U. LEIRIA: Fernando; Eder, Bruno Miguel, Eder Gaúcho e Laranjeiro «cap»; Faria, Tiago e Lukasiewicz; Sougou, Paulo César e Ngal
Substituições: Ngal por Cadu (48m), Lukasiewicz por João Paulo (52m), Faria por Toñito (82m)
Não utilizados: Rafael, Alhandra, Marco Soares e Jessui
Treinador: Paulo Duarte

F.C. PORTO: Nuno; Bosingwa, Bruno Alves, João Paulo e Fucile; Lucho «cap», Paulo Assunção e Raul Meireles; Tarik, Lisandro e Quaresma
Substituições: Tarik por Mariano (65m), Paulo Assunção por Leandro Lima (70m), Lisandro por Edgar (74m)
Não utilizados: Ventura, Stepanov, Cech e Kazmierczak
Treinador: Jesualdo Ferreira

Ao intervalo: 0-1
Marcadores: Tarik (37m), Lisandro (49m), João Paulo (66m)
Disciplina: cartão amarelo a Tarik (32m), Faria (67m), Eder Gaúcho (77m), João Paulo (87m), Quaresma (90m)

Fotos do jogo em:

02/09/07

Leiria - FC Porto às 20H30 na Sport Tv2

Estádio Dr.Magalhães Pessoa, Leiria
João Vilas Boas [AF Braga]
Alfredo Braga + José Oliveira

União de Leiria
Treinador Paulo Duarte

1 Fernando GR
5 Éder LD
23 Bruno Miguel DC
55 Éder Gaúcho DC
25 Laranjeiro LE
15 Faria MD
66 Tiago MD
11 Cadu MO
9 Paulo César MO
7 N´Gal AV
18 Sougou AV

24 Rafael Fava GR
3 Lukasiewicz LE
20 Marco Soares MD
21 Toñito MO
14 Alhandra AE
27 Zongo AD
30 João Paulo AV

FC Porto
Treinador Jesualdo Ferreira

33 Nuno GR
12 Bosingwa LD
2 Bruno Alves DC
4 Stepanov DC
13 Fucile LE
6 Paulo Assunção MD
16 Raul Meireles MO
8 Lucho Gonzalez MO
17 Tarik AD
7 Quaresma AE
9 Lisandro AV

24 Ventura GR
14 João Paulo DC
5 Cech LE
18 Bollati MD
20 Leandro Lima MO
11 Mariano Gonzalez AD
29 Edgar AV

01/09/07

"Mercado" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Mais impressionantes do que os 70 milhões de euros que o FC Porto fez no mercado de transferências de Verão que ontem encerrou, são as dezenas de milhões de euros que escolheu, deliberadamente, não fazer. Assim como quem escolhe, deliberadamente, não fazer um atraso ao guarda-redes. Desculpem lá o devaneio, mas não resisti. E foi deliberadamente. O FC Porto podia ter vendido Quaresma bem acima dos 20 milhões de euros, mas preferiu não o fazer. Podia ter vendido Lucho por um valor semelhante, mas preferiu não o fazer. E podia ter vendido Bosingwa e Bruno Alves e Lisandro, mas preferiu não o fazer. Vendeu cinco jogadores por 70 milhões de euros, é verdade, mas apenas um titular indiscutível - Pepe - e é por isso que Jesualdo Ferreira tem uma equipa quase igual à que se sagrou campeã na última temporada para o arranque desta. Pelo meio, reforçou as opções para quase todas as posições da equipa, e é por isso que as lesões de Helton e Pedro Emanuel, apesar de tão indesejáveis como quaisquer outras lesões, são encaradas sem aflições nem necessidade de recurso a guarda-redes ou centrais improvisados ou promovidos à pressa dos juniores. Por outras palavras, os bicampeões nacionais garantiram o imprescindível equilíbrio entre a necessidade de realização de receitas e a manutenção de uma base desportiva sólida, sem comprometerem o património do clube. Quaresma, Lucho, Bosingwa, Bruno Alves e Lisandro continuam no plantel e têm mais uma oportunidade de valorização no campeonato e na Liga dos Campeões, enquanto a contratação de uma série de jogadores jovens e a promoção de alguns valores seguros da formação assegura que a próxima fornada de talentos já está a ser preparada. Deliberadamente.

31/08/07

"Patriotas, parte 2" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Na mesma semana em que nos deixamos emocionar com os feitos e defeitos dos nossos atletas naturalizados nos Mundiais de Atletismo de Osaka, não resistimos a questionar a legitimidade da chamada de Pepe à Selecção Nacional por parte de Luiz Felipe Scolari. Não consigo encontrar muitas explicações para esta dualidade de critérios entre o atletismo e o futebol, nem acredito que o facto de Nélson Évora ter nascido na Costa do Marfim e Francis Obikwelu na Nigéria façam deles mais ou menos portugueses do que Pepe, nascido no Brasil ou do que o meu primo Zé, nascido em Vila do Conde. Talvez a única explicação para a facilidade com que adoptamos os saltadores ou os sprinters naturalizados e rejeitamos os futebolistas resida simplesmente no facto de não termos amigos com jeito para o triplo salto ou para correr os 100 metros em menos de dez segundos. Em contrapartida, cada um de nós era capaz de, com base nas respectivas preferências clubísticas, apontar pelo menos uma boa meia-dúzia de alternativas a Pepe no eixo da defesa da Selecção Nacional. E todos portugueses a sério, alguns até com um bigode farfalhudo e uma paixão inexplicável por bacalhau e fado, um verdadeiro orgulho para a raça. Já saltadores e sprinters, nada. Não há. E como não há, adoptamos os naturalizados e não temos dúvidas em dizer que são portugueses. E se são portugueses, e se são os melhores naquilo que fazem, é com naturalidade que os vemos representar as nossas cores e nos deixamos emocionar pelos seus sucessos e insucessos. Assim, parece-me que a pergunta que devemos fazer em relação à chamada de Pepe à Selecção é muito simples: se ele fosse português, tinha lugar na Selecção Nacional? E a resposta é igualmente simples: Pepe é português.

Ao ataque
Estamos confiantes de que conseguiremos atingir o nosso primeiro objectivo, que é chegar aos oitavos-de-final.
Vítor Baía, Director de Relações Públicas do FC Porto

30/08/07

Fase de grupos da Champions League: Grupo A

Liverpool

FC Porto

Marselha

Besiktas

Paulo Assunção: «Vamos dar o máximo em Leiria»

A um desafio de completar 100 jogos na Liga Portuguesa, Paulo Assunção perspectivou, esta quinta-feira de manhã, no relvado do Olival, o encontro da 3ª jornada do campeonato, assegurando que o F.C. Porto vai dar o máximo em Leiria, frente à equipa local.

No decorrer da «super flash», o médio afirmou ainda, entre outras declarações que transcrevemos nos parágrafos seguintes, estar feliz com o início de prova realizado pelos Bicampeões Nacionais – assinalado por dois triunfos consecutivos, primeiro sobre o Sp. Braga e depois sobre o Sporting – e prometeu a mesma determinação para o jogo deste domingo, marcado para as 20h30.

Início positivo
«Iniciámos o campeonato com duas vitórias consecutivas, o que é sempre positivo e me deixa muito feliz, e vamos continuar a trabalhar para manter este ritmo, embora tenhamos consciência de que ainda estamos no princípio e faltam muitas jornadas para disputar. O importante é continuar a trabalhar para ajudar a equipa.»

Situação normal
«Vamos dar o máximo em Leiria e fazer de tudo para ganhar a partida, apesar de sabermos que o nosso adversário tem uma grande equipa e está a jogar bem. O facto de discutirem, hoje, uma pré-eliminatória da Taça UEFA não muda nada. Nós também jogamos, frequentemente, duas vezes por semana. É uma situação normal, à qual os atletas têm de estar habituados.»

Trabalho bem feito
«Começámos muito bem em Braga e depois no Dragão, perante o Sporting, e queremos entrar da mesma forma contra o Leiria. Procuramos dar sempre o nosso melhor em todos os jogos e estamos tranquilos. O facto de o F.C. Porto ter chegado a todos os golos de bola parada é apenas um reflexo de que esse trabalho está a ser bem feito e o resultado está à vista.»

Sem medo de ninguém
«Aguardamos pelo sorteio da UEFA Champions League com naturalidade, até porque não temos medo de jogar contra ninguém. O nosso objectivo, independentemente dos adversários, é passar fase a fase. Por agora, queremos passar a fase de grupos.»

Feliz por Pepe
«Fico feliz pelo Pepe. É um excelente jogador e, se foi chamado à Selecção Portuguesa, é porque tem condições para jogar. Acredito que ele esteja muito contente.»

Tendinite obriga Jorginho a tratamento

Jorginho juntou-se, esta quinta-feira de manhã, a Adriano e Helton, no Departamento Médico, devido a uma tendinite no tendão rotuliano do joelho direito. Os três atletas estiveram em tratamento, enquanto o restante plantel trabalhou no relvado do Olival. Quanto a Farías, voltou a realizar treino condicionado.
Os Bicampeões Nacionais têm novo ensaio agendado para as 10h00 de amanhã, outra vez no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, onde Jesualdo Ferreira, após o apronto, falará à comunicação social, antevendo, na habitual conferência de imprensa, o encontro da 3ª jornada da Liga 2007/08.


Fonte: Site Oficial

"Patriotas" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Paulo Duarte, treinador do Leiria, lamentou aquilo que considerou ser a falta de patriotismo por parte do FC Porto ao não permitir o adiamento do jogo da 3ª jornada do campeonato entre as duas equipas, que se realizará no domingo. Os leirienses disputam hoje a segunda eliminatória da Taça UEFA, frente ao Macabi Netanya, e terão pouco tempo para descansar antes do confronto com os bicampeões nacionais, o que terá motivado o comentário de Paulo Duarte. Acontece que o treinador do Leiria confunde patriotismo com burrice. Seria pura e simplesmente uma enorme burrice por parte dos bicampeões nacionais proporcionar ao adversário mais uns dias de descanso antes do confronto entre as duas equipas, até porque o calendário, e os seus caprichos, fazem parte do jogo. O Leiria-FC Porto disputa-se depois do jogo dos leirienses em Israel e não há nenhum motivo para que o segundo jogo influencie em absolutamente nada o rendimento da equipa de Paulo Duarte no primeiro. Se a ordem do calendário fosse a inversa, se o jogo do campeonato antecedesse o da Taça UEFA e o FC Porto recusasse antecipar a partida, diminuindo o tempo de descanso do Leiria para o confronto com os israelitas, aí sim poderia Paulo Duarte falar em falta de patriotismo. Tal como é o calendário, tenho a certeza de que os portistas esperam o maior empenho e desejam as maiores felicidades ao Leiria no jogo com o Macabi Netanya, como qualquer bom patriota. Logo a seguir, portistas e leirienses serão adversários e farão tudo para vencer o jogo de domingo, incluindo explorar eventuais cansaços, lesões e limitações que resultem dos compromissos anteriores. Como de resto acontece com o FC Porto e com todas as equipas envolvidas nas competições europeias, quando têm de jogar a meio da semana e ao fim-de-semana, sem beneficiar do descanso proporcionados à maioria dos adversários internos.

Promessa
[Carlos Azenha] está um pouco apagado ao ser treinador-adjunto, mas é muito bom. Se ele quiser ser treinador principal, vai ser um grande treinador.
Pepe, jogador do Real Madrid

29/08/07

João Vilas Boas no U. Leiria-F.C. Porto

João Vilas Boas foi o juiz designado pela Liga para arbitrar o U. Leiria-F.C. Porto, partida da terceira jornada da Liga 2007/08 que se realiza no próximo domingo, às 20h30, no Estádio Municipal Magalhães Pessoa.
Para além do árbitro da AF Braga, a Liga nomeou ainda os assistentes Alfredo Braga e José Oliveira.

Helton em tratamento devido a entorse no joelho direito

O guarda-redes Helton, com uma entorse no joelho direito, foi o principal ausente do treino de regresso ao trabalho dos Bicampeões Nacionais, realizado esta terça-feira à tarde, no Olival, a cujo relvado subiram apenas os titulares do jogo frente ao Sporting, Hélder Postiga e os guarda-redes Nuno, Ruca e Leo, permanecendo os restantes atletas no ginásio.
O nº 1 dos Dragões ficou-se pelo Departamento Médico, onde teve a companhia de Adriano – ainda a recuperar de uma rotura muscular no adutor da coxa direita –, levando Jesualdo Ferreira a chamar para o ensaio de hoje os juniores Ruca e Leo (Ventura também não esteve presente, por se encontrar ao serviço da Selecção Portuguesa de sub-20).
Quanto ao avançado Farías, voltou a desenvolver treino condicionado, com a ajuda do recuperador físico António Dias.
O F.C. Porto regressa amanhã ao trabalho, reunindo-se primeiro às 10h00, num apronto aberto à comunicação social nos 15 minutos iniciais, e novamente às 17h00, mais uma vez no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia.
Treino matinal com as mesmas ausências de ontem
Helton, com uma entorse no joelho direito, Adriano, ainda a recuperar de uma rotura no adutor da coxa direita, e Ventura, que continua ao serviço da Selecção Portuguesa de sub-20, foram os únicos ausentes, à semelhança do que acontecera ontem, do treino realizado pelo F.C. Porto, esta quarta-feira de manhã, no Olival. Farías trabalhou à parte do restante plantel.
Face a não poder contar com Helton e Ventura, dois dos três guarda-redes do plantel azul e branco, Jesualdo Ferreira chamou, mais uma vez, os juniores Ruca e Leo para integrarem a sessão de trabalho dos Bicampeões Nacionais, que voltam a reunir-se hoje, às 17h00, outra vez em Gaia, desta feita à porta fechada.
Fonte: Site Oficial

"Big Bang" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Como dizia Terry Pratchett, um conhecido escritor de ficção científica inglês, numa definição livre da teoria do Big Bang: no início não havia nada, e explodiu. Uma definição que também serve para descrever o início de temporada do FC Porto. No início, não havia nada, nem sequer o benefício da dúvida, esgotado pelos bicampeões nacionais na derrota com o Sporting para a Supertaça. Aliás, no início, havia menos que nada, porque o calendário confrontava os portistas com os fantasmas de um passado recente e com um ciclo de três jogos a que correspondiam a outras tantas derrotas na temporada anterior. No início não havia nada, e explodiu. Explodiu em Braga, com Quaresma a marcar duas vezes de livre directo, um fenómeno tão raro nas últimas temporadas dos bicampeões nacionais como um eclipse solar. E voltou a explodir contra o Sporting, com uma vitória justa na cobrança inteligente de um livre indirecto que já foi indiscutível, passou por ser justificável antes de ser polémico, mas que, com jeitinho, ainda há-de acabar encravado na carreira de Pedro Proença como pecado Capital, assim mesmo, com maiúscula. Entretanto, ao fim de apenas duas jornadas, o FC Porto lidera o campeonato, a par do Marítimo, com uma vantagem de três pontos sobre o Sporting e quatro sobre o Benfica. Mais importante do que isso, já deixou para trás dois dos adversários mais complicados da temporada, o vice-campeão e o quarto classificado da última época, duas equipas que se reforçaram significativamente para esta temporada e que, à excepção dos jogos com o FC Porto, estão a fazer um excelente início de campeonato. No início não havia nada, e explodiu. Só falta saber se este arranque dos bicampeões nacionais também vai chamuscar o Leiria.


Tarda, mas não falha
Soares Franco, presidente do Sporting, disse ontem ter visto com mágoa as declarações de Pedro Proença sobre o lance que resultaria no golo do FC Porto durante o clássico do último fim-de-semana. Suponho que o presidente do Sporting não ouviu as declarações de Paulo Bento, no final do jogo, sobre a arbitragem do clássico, ou a mágoa teria sido ainda maior. "Foi uma boa arbitragem, que não teve influência no resultado", disse o treinador do Sporting.

28/08/07

Jogo televisionado

O jogo União de Leiria-F. C. Porto vai ser transmitido em directo pela Sport TV 2 às 20.30 horas. Inicialmente, o encontro da terceira jornada da Liga estava marcado para as 21.30 horas, mas por acordo expresso entre os dois clubes foi antecipado e a emissão televisiva autorizada pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional.
Fonte: Jornal de Notícias

Fucile entre os eleitos do Uruguai

Jorge Fucile, lateral do F.C. Porto, está entre os eleitos do Uruguai para o jogo particular que a Selecção sul-americana vai realizar, na quarta-feira de 12 de Setembro, na África do Sul, frente à equipa nacional.
O defesa Campeão de Portugal tem sido presença constante nas convocatórias do Uruguai e participou inclusive recentemente na Copa América, que a Selecção do seu país concluiu na quarta posição.
As atenções uruguaias estão agora centradas na preparação do Mundial 2010, que terá lugar na África do Sul, contra cuja Selecção se defrontam no próximo mês, já a pensar no desafio de qualificação que disputam a 13 de Outubro, diante da Bolívia.
Com a chamada de Fucile, hoje, e as do eslovaco Marek Cech e do polaco Kazmierczak, ontem, são já três os atletas do F.C. Porto convocados, até ao momento, para as respectivas Selecções. A convocatória de Portugal é conhecida esta quinta-feira.
Fonte: Site oficial

"Ingénuos" Crónica d'O Jogo de Alcides Freire

Inexperiente Raul Meireles que correu a festejar o golo, dedicando-o à filha Lara. Ingénuo Jesualdo Ferreira que julgou ter ficado com os louros, impreparados adeptos do FC Porto que exultaram com um triunfo que acreditaram ser seu. Pelo menos, dos seus jogadores. Na verdade, o FC Porto ganhou porque o Sporting errou. Bem visto, nem foi isso. Ganhou porque o guarda-redes do Sporting agarrou a bola quando devia ter chutado. Foi demérito. Por isso, porque foi o Sporting que perdeu, passou despercebido que Raul Meireles tivesse corrido mais do que Miguel Veloso, ainda que ambos tivessem estado na Arménia e o portista jogado 90 minutos no quintal de Erevan. Talvez agora se perceba que o nome do portista figure na lista de alguns dos melhores clubes da Europa. Ao que parece, não foi o FC Porto que ganhou, não foi Lucho que descobriu Meireles nas suas costas, foi Stojkovic que se colocou mal na barreira, escancarando o único buraco por onde a bola acabaria por chegar à baliza. Até aqui não houve mérito. Até no lance que deu origem à falta não há mérito de Postiga, pela pressão feita ao guarda-redes, mas antes o demérito de Tonel, que, deixando passar a bola pelo meio das pernas, induziu o guarda-redes em erro. Por isso, Jesualdo estará a enganar-se quando pensa que mereceu ganhar. O que aconteceu na realidade, e o treinador do FC Porto ficará a saber disso agora, foi apenas uma coisa: Paulo Bento não ganhou o terceiro jogo consecutivo. Nota final: qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

27/08/07

Intravável!

Desta vez, à segunda, não havia moldura metálica, intervenção divina ou conjugação de ventos e tempestades que pudessem valer a Stojkovic. Nem o olhar, aquele esgar petrificado capaz de desviar remates em Leiria, poderia negar a bola ao seu inevitável destino. O remate de Raul Meireles era intravável. Mais do que imparável, à prova de postes, indiferente a traves. Naquela rota, livre de magnetismos e outros estranhos efeitos de atracção, ninguém poderia atravessar-se. E nenhum golo seria perdido.
A abordagem determinada dos Dragões não reservou tempo nem espaço a preâmbulos. Em muito menos de uma dezena de minutos, a suposta pressão, presumida imagem de marca do Sporting, resumia-se a desligadas corridas de Liedson e Derlei na perseguição da bola que o F.C. Porto soube guardar, ainda que encontrando dificuldades em fazer a entrega nas redes de Stojkovic, frequentemente ameaçadas pela velocidade e uma genuína movimentação colectiva.
Tarik foi origem repetida do sobressalto leonino, tendo estado na génese de dois movimentos que só não resultaram em golo por azar extremo. Talvez um pouco mais do que aquele que acompanhara um desvio de cabeça do marroquino, mas não tanto quando o que envolveu o livre de Quaresma. Na hierarquia de contrariedades e reveses, o remate do extremo português atingiu a proporção de infortúnio, mais ainda por se tratar do quarto remate devolvido pelo ferro da baliza de Stojkovic no espaço de duas semanas.
Os dados, de pouca sorte para os Dragões, estavam lançados, e a direcção para a qual eram projectados foi apenas esporadicamente invertida antes de um remate fulminante de Raul Meireles acrescentar um pouco de precisão e uma ponta de verdade ao jogo. Com toda a equipa adversária atrás da linha da bola, o que não chegou a constituir novidade, Raul fez o golo na sequência de um livre indirecto na área defendida pelo Sporting. Lucho surpreendeu, preferindo o passe para trás, e Meireles descobriu espaço para fazer a bola entrar entre uma literal muralha de onze elementos.
Só em desvantagem o adversário percebeu que poderia e deveria ter dado mais ao jogo. Mas, ainda assim, numa versão já mais elástica, esteve mais perto de sofrer o segundo golo do que conseguir o empate. Mais equipa, mais distante de se subordinar à magia ou inspiração de um só elemento, ao contrário do Sporting, que persistia em revelar sinais de uma profunda dependência do papel predominante de Miguel Veloso numa estratégia pouco ambiciosa, o F.C. Porto soube segurar a vantagem que se esquecera de o acompanhar logo no descanso, à ida para o balneário. E passa a ter apenas a companhia do Marítimo na liderança.

FICHA DE JOGO
Liga 2007/08, 2ª jornada
26 de Agosto de 2007
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 49.709 espectadores
Árbitro: Pedro Proença (Lisboa)
Assistentes: Tiago Trigo e Ricardo Santos
4º árbitro: Vasco Santos
F.C. PORTO: Helton; Bosingwa, Bruno Alves, Pedro Emanuel «cap» e Fucile; Lucho, Paulo Assunção e Raul Meireles; Tarik, Lisandro e Quaresma
Substituições: Tarik por Hélder Postiga (46m), Raul Meireles por Mariano (67m) e Lisandro por Bolatti (85m)
Não utilizados: Nuno, Stepanov, Cech e Leandro Lima
Treinador: Jesualdo Ferreira
SPORTING: Stojkovic; Abel, Tonel, Polga, Ronny; Miguel Veloso; Izmailov, Romagnoli e João Moutinho «cap»; Derlei e Liedson
Substituições: Izmailov por Vukcevic (62m), Ronny por Pereirinha (76m) e Abel por Djaló (76m)
Não utilizados: Tiago, Marian Had, Farnerud e Gladstone
Treinador: Paulo Bento
Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Raul Meireles (53m)
Disciplina: cartão amarelo a Quaresma (34m), Derlei (52m), Tonel (53m), Polga (72m), Bosingwa (87m) e Helton (90m)

25/08/07

Faleceu Alfredo Murça

O antigo internacional português Alfredo Murça, bicampeão de futebol pelo FC Porto em 1977/78 e 78/79 e vencedor de uma Taça de Portugal, faleceu hoje, aos 59 anos, na sequência de uma doença prolongada.
Alfredo Murça, nascido a 17 de Janeiro de 1948, na Costa da Caparica, foi cinco vezes internacional "AA" por Portugal, quatro em representação dos "dragões" e um pelo Belenenses, o outro clube que também representou.
Murça estreou-se na formação das "Quinas" quando actuava no Belenenses, a 10 de Dezembro de 1969 (derrota por 1-0 com a Inglaterra, em Londres).
O corpo do ex-futebolista encontra-se em câmara ardente na Igreja de Ermesinde e o funeral está marcado para domingo, no Cemitério da Costa da Caparica.
O Dragão Madeirense apresenta à família do falecido e a todos os portistas as mais profundas condolências. Em breve, faremos uma homenagem ao grande jogador do nosso Invicto.

"Nomes" Crónica d'O Jogo de Jorge Maia

Percebo a preocupação de Vukcevic quando diz que o FC Porto é Quaresma e mais dez. Ouvido assim de repente, a declaração do médio montenegrino até parece uma tremenda falta de respeito pelos bicampeões nacionais, uma forma redutora de olhar para a equipa de Jesualdo Ferreira e de menosprezar os "mais dez", e logo por parte de um jogador que acabou de chegar a Portugal. Mas os mais familiarizados com a cultura balcânica percebem que não é disso que se trata. O que Vukcevic quer dizer, parece-me, é que é quase batota o FC Porto poder jogar com Quaresma e mais dez. Afinal, o extremo do FC Porto é, reconhecidamente, um fora de série, uma espécie ameaçada no futebol português pela cegueira dos árbitros e a agressividade dos trauliteiros, e, como qualquer fora de série, vale pelo menos por dois. Ora, mesmo em montenegrino, dois mais dez dá doze e jogar futebol com doze é batota. Até no Montenegro. Daí a preocupação de Vukcevic com Quaresma. Ou isso, ou o médio do Sporting ainda não teve tempo de conhecer a equipa do FC Porto e só conseguiu decorar o nome do extremo. Se a conhecesse, provavelmente teria dito que o FC Porto é Quaresma e Lucho mais nove, ou Quaresma, Lucho e Lisandro mais oito, ou Quaresma, Lucho, Lisandro e Raul Meireles mais sete. E por aí fora. De qualquer forma, se não conhece bem o FC Porto, talvez devesse ter esperado para conhecer antes de dizer a primeira coisa que lhe passou, ou lhe fizeram passar, pela cabeça. Fica-lhe bem valorizar Quaresma, mas fica-lhe mal desvalorizar o resto da equipa. Quem sabe? Pode ser que Vukcevic aprenda alguns nomes novos já no domingo. E não estou a falar dos que, porvavelmente, vai ouvir das bancadas.